Ideação
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MELHOR
QUALIDADE DE VIDA.

Bons professores são atemporais

ideia | 12 Setembro 2017

Aimee Verdisco e Susan Guertin Chandler*

Minha filha, AnnaMaria, terminou recentemente a quarta série. Ela adorava a sua Professora Margi. Então, eu perguntei a ela: por quê?  Ela me disse que, apesar da sua professora ser “a mais severa da quarta série”, ela a ajudou a adquirir o gosto pela leitura e ciência. A Professora Margi fazia com que aprender fosse divertido. Eu pedi para AnnaMaria escrever uma carta para a Professora Margi dizendo tudo isso e agradecendo pelo que ela havia feito. Essa situação me fez lembrar que minha professora favorita também foi da quarta série e chamava-se Susan Guertin Chandler. Então, me fiz a mesma pergunta: por quê? A resposta foi a mesma: a Professora Guertin tornava o aprendizado divertido. Dessa forma, seguindo meu próprio conselho, escrevi uma carta para minha antiga professora. Isso nos levou a uma amável conversa sobre professores e, nesta ocasião, ela participa desse texto como coautora.

Foto/arquivo pessoal. Professora Susan Guertin Chandler

Nós conversamos sobre o que faz com que os professores sejam eficientes. Possuir o conhecimento adequado é parte disso; talvez a parte mais simples. Transmitir o conteúdo com aquele “algo a mais” é a parte difícil- provocar a curiosidade duradoura, entusiasmo e paixão pelo aprendizado. Para as crianças que recebem o conteúdo dessa forma, aprender é “divertido”. Por trás dessa diversão, estão os professores estimulando os alunos a pensarem alto,  aprenderem com os erros e respeitar opiniões diferentes das suas. Esses professores estão dispostos a deixar tudo de lado para ajudar no aprendizado, dirimindo a dúvida e a frustração da criança, ou se afastar e dar espaço para permitir que novas ideias floresçam.

Uma boa interação entre professor e aluno é aspecto fundamental para uma boa educação. Isso demanda que o professor seja preparado, prepositivo e paciente, todos os dias, o dia todo. Não há um atalho para se chegar até aí, nesse caminho, a experiência pode ser uma guia. Por esse motivo, nós oferecemos aqui cinco pontos importantes que têm relação entre si e que podem ajudar o professor nesse incrível desafio.

Ter regras permite aos professores gastar menos tempo com disciplina e mais tempo com o aprendizado.

Os professores precisam estabelecer metas ousadas, simples e plausíveis aos alunos. Para fazer isso acontecer, as crianças e os professores devem estar de acordo em relação a um conjunto claro de regras e de punições pelo não cumprimento delas. Na quarta série, por exemplo, as regras podem ser do tipo: manter mãos, pés e objetos pessoais limpos, sempre usar linguagem apropriada.

Por outro lado, quando as crianças se esforçam para acertar, devem receber elogios ou outra vantagem simples que represente algo muito desejado; por exemplo, trabalhar na mesa da professora, passar um ditado para a turma ou ser liberado de fazer o dever de casa. As turmas também devem receber recompensas. Uma ideia é levar uma jarra com 50 bolinhas de gude para a sala de aula. Quando toda a classe se comporta bem ou cumpre seus deveres com responsabilidade ela recebe cinco bolinhas. Quando todas as 50 bolinhas forem recebidas, a turma tem direito a uma folga para brincar no pátio da escola, um passeio escolar em algum lugar de interesse ou um lanche juntos.

Foto/arquivo pessoal

Ensinar aos alunos como se organizarem.

O processo de aprendizado deve ser organizado. Isso significa ensinar as crianças a serem organizadas de uma forma simples e acessível a elas. O uso de regras e punições decorrentes do seu não cumprimento é uma parte disso. No mais, o uso de lista de tarefas individuais e para a classe como um todo, permite às crianças adquirirem responsabilidade por aquilo que precisa ser feito.. O uso de cadernos de anotações individuais mantém toda essa informação no mesmo lugar e permite que as tarefas sejam cumpridas de maneira mais clara e suave. O mesmo caderno acompanha o aluno para casa com o seu dever e, uma vez lá, deixa os pais cientes da aprendizagem dos filhos.

Trabalho em equipe.

Estar preparado, ser proativo e paciente todo dia, o dia todo, não é uma tarefa simples. As crianças precisam saber que fazem parte de um time no qual existem profissionais atuando nas mais diversas atividades do dia a dia: atendentes, meteorologistas, agricultores, mensageiros, motoristas. As crianças precisam sentir que a classe faz parte dessas atividades.

Professores e funcionários também precisam fazer parte desse time. Por exemplo, um momento especial pode ser estabelecido para diversão todas as sextas-feiras. Trabalhando em conjunto com os professores, a classe pode participar de uma atividade diferente a cada semana. As crianças de uma turma, por exemplo, podem receber um certificado de “boas notícias” por terem alcançado seus objetivos aquela semana. Uma outra classe pode ser designada a “Turma da Responsabilidade” e os estudantes que quiserem, podem ir até lá para completar suas tarefas com a ajuda dos professores. Se suas tarefas são cumpridas eles podem ir para casa, se não, a “Lista de Responsabilidades” acompanha o aluno que deverá terminar seu trabalho com a ajuda dos pais.

Foto/arquivo pessoal

Professores que trocam ideias e ajudam uns aos outros são mais capazes de manter a tranquilidade necessária para obter resultados em uma classe de 20-30 alunos. Às vezes precisa de uma opinião sobre como lidar com os pais de um aluno ou com um estudante que tem dificuldade de aprendizado.

Outro ponto que vale a pena ser levado em consideração é o quadro de professores aposentados que representa uma enorme riqueza para as escolas e muitos desses professores permanecem na comunidade após seu afastamento das atividades. Dar oportunidade para que esses profissionais trabalhem com as crianças amplia os horizontes dos atuais professores para ideias que já deram resultado positivo no passado e, além disso, a passagem de seu conhecimento e experiência para as novas gerações de professores aumenta enormemente a qualidade e o poder de aprendizagem na escola.

Estar preparado para o que vem a seguir.

Todas as crianças ficam ansiosas com o seu futuro e os professores podem ajudar a reduzir essa ansiedade. Institua ao final de cada ano escolar o “Dia do Passo Seguinte”. Esse dia será a oportunidade para os alunos conhecerem os professores da sua nova série, visitar sua nova classe e tirar suas dúvidas sobre quaisquer questões pertinentes. O planejamento e a organização dessas atividades são programados com antecedência pelo professor e isso tranquilizará o aluno, tornando claro que o aprendizado se constrói sequencialmente, passo-a-passo, cada um dependendo das habilidades adquiridas no passo anterior.

Divirta-se. Sorria.

O aprendizado acontece em todo lugar e as crianças estão sempre aprendendo: quando brincam, quando cantam ou quando saem para um passeio ou uma aventura. Encontre alegria e sorria mesmo quando a situação poderia trazer aborrecimento. Rir é fundamental! Dê-se uma chance de fazer algo inesperado!

Bons professores são atemporais. Eles criam pessoas ávidas por saber porque tornam o aprendizado divertido. Eles fazem isso prepositivamente e com alegria, independentemente de tecnologia, língua ou país.

 

*Aimee Verdisco é especialista em educação do BID no Brasil.

* Professora Susan Guertin Chandler aposentou-se a aproximadamente 13 anos.

Deixar um comentário