POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MELHOR
QUALIDADE DE VIDA.

Inovação “made in” Nordeste

ideia | 6 Agosto 2014

campusblog

Uma ideia na cabeça e um computador à mão. A maior disponibilidade de tecnologias e o crescente interesse das novas gerações por ciência da computação e desenvolvimento de apps tem resultado em um boom de startups e soluções criativas para problemas de longa data como (falta de) segurança e educação. Confira quatro empreendimentos de jovens nordestinos que utilizam a tecnologia para melhorar vidas.

Onde fui roubado – Criado por um grupo de jovens baianos, o Onde fui roubado é um site de acesso livre – que logo deve também deve transformar-se em app – para registro de ocorrências de roubo. Disponível em todo o Brasil, o site permite a visualização de mapas com estatísticas de crime, o que pode ajudar os cidadãos a evitarem áreas com grande ocorrência de roubos, por exemplo. Além disso, o Onde fui roubado também disponibiliza estatísticas como o sexo das vítimas, porcentual dos tipos de delitos e horário em que as ocorrências são mais frequentes, o que pode ajudar a polícia e também estudiosos que trabalham com dados sobre violência.

Brain On – A startup com sede no Recife desenvolve games que servem para avaliar o nível de aprendizagem dos jogadores –  o foco principal são crianças com possíveis distúrbios como, por exemplo, a dislexia. Por meio dos jogos, especialistas como psicólogos ou pedagogos podem não apenas diagnosticar problemas existentes como também propor a melhor maneira de lidar com distúrbios/desvios de aprendizagem.

Life Up Brasil – Também do Recife, a Life Up Brasil define-se como uma fábrica de softwares para uma melhor qualidade de vida. Entre seus projetos estão um jogo para tratamento de crianças com autismo. Também trabalham na criação de um livro sobre fobias sociais/timidez, que deve resultar em um jogo para ajudar aqueles que sofram com esses problemas a terem melhor desempenho acadêmico e profissional, por exemplo.

ProDeaf – Por meio deste site, mais um empreendimento de jovens pernambucanos, é possível traduzir conteúdos em português de outros websites em libras, a linguagem brasileira de sinais utilizada pelos deficientes auditivos. Há planos gratuitos e pagos.

Deixar um comentário