POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MELHOR
QUALIDADE DE VIDA.

Abra os olhos para Abrolhos

ideia | 13 Fevereiro 2014

Buracas-Enrico-Marcovaldi-7-546x321

Foto: Enrico Marcovaldi/Conservação Internacional 

Reza a lenda que Abrolhos, maior reserva de biodiversidade marinha do Atlântico Sul, recebeu tal nome porque os primeiros navegadores portugueses que chegaram à região diziam “Abra os olhos” para alertar sobre a existência de pedras e corais que poderiam danificar as embarcações. Embora a origem do nome seja disputada, fazer com que abramos os olhos para Abrolhos, região pouco conhecida entre os brasileiros, é um dos objetivos de uma campanha recém lançada pela Aliança para Conservação Marinha, uma parceria da Conservação Internacional (CI) com a SOS Mata Atlântica.

Área de reprodução de baleias jubarte, Abrolhos sofre com a pesca predatória e descontrolada que coloca em perigo não só a rica biodiversidade da região, mas também a vida de pescadores que se arriscam em mergulhos profundos, e sem proteção, , segundo o jornal O Estado de S. Paulo, em busca de badejos e garoupas, iguarias presentes em pratos caros e requintados.

Guilherme Dutra, diretor do programa marinho da CI, diz que cerca de 20 mil famílias estão envolvidas com a atividade pesqueira na região, que carece de melhor regulação. Os pescadores ganham pouco com a comercialização da pesca, mas a criação de três reservas extrativistas marinhas (as Resex) tem ajudado as comunidades a se organizarem e a desenvolverem planos de manejo e uma atividade mais sustentável.

Outro problema é que o arquipélago não se beneficia de seu potencial turístico. Abrolhos chegava a receber 15 mil turistas por ano quando o aeroporto de Caravelas estava em operação. Mas com o fechamento para reforma, em 2007, o número de turistas caiu para quatro mil. Falta também estrutura para o turismo sustentável na região, explica Guilherme. Exemplo disso é a falta de poitas (pequenos pesos para apoio), o que leva as embarcações a lançarem  âncoras dentro do Parque Nacional, criado em 1983.

2013-11-13-16-546x321

A maioria dos turistas diz visitar o sul da Bahia, onde se encontra Abrolhos, por causa dos atrativos naturais da região, mas são realmente poucos os que conhecem o parque nacional. Segundo Guilherme, a CI, em conjunto com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), farão, ainda este ano, um estudo sobre o potencial do turismo sustentável na região, o que pode levar ao desenvolvimento de políticas de incentivo.

Enquanto o estudo não sai, a campanha “Adote Abrolhos” tenta chamar a atenção para os problemas e promessas de Abrolhos por meio de redes sociais. Quem acessa o site www.adoteabrolhos.org.br é incentivado a baixar e compartilhar belas fotos do arquipélago e também a assinar uma petição para a ampliação das unidades de conservação existentes e a criação de outras.

2 comentários

  • Guilherme F. Dutra :

    Parabéns pela matéria! Gostaria de ressaltar que as primeiras ações da Conservação Internacional em Abrolhos foram apoiadas pelo BID, em 1996. Naquele momento desenvolvemos um Plano de Ação focado no Parque Nacional dos Abrolhos e adjacências. A maior parte das ações propostas foi realizada e hoje os desafios estão na conservação de uma área bem maior que engloba toda a Região dos Abrolhos, no Extremo Sul da Bahia e Norte do Espírito Santo.

Deixar um comentário