POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MELHOR
QUALIDADE DE VIDA.

Quatro iniciativas abertas para promover a reciclagem

ideia | 15 Agosto 2016

reciclagem alc (Custom)

Sergio I. Campos G. e Karen Mokate*

Hoje, a taxa média de reciclagem na América Latina e Caribe é de 14%. Apenas 19,8% dos municípios latino-americanos contam com planos de gestão dos resíduos sólidos e apenas 2,2% têm programas formais para reciclagem.

Frente a este cenário, o conhecimento aberto tem se apresentado como uma ferramenta que permite potencializar a busca por soluções inovadoras para melhorar os processos de gestão dos resíduos.

Há dois meses foi celebrado o Dia Internacional da Reciclagem, e tendo em vista a importância deste assunto compartilhamos quatro iniciativas abertas que propõem soluções para a gestão de resíduos sólidos que podem ser reciclados, que fomentam o acesso de recicladores ao mercado formal e criam consciência sobre esta temática.

1ReciVeci

Trata-se de um aplicativo desenhado para conectar os cidadãos com os recicladores. A ferramenta ajuda a conhecer o que é reciclável e o que não é. Também mostra quem é o reciclador da base de um determinado bairro. ReciVeci é uma iniciativa desenvolvida em Quito, Equador.

reciclaje1

2allGreenup

É um aplicativo educativo aberto e que permite a criação de informação e análise de dados ambientais, através da participação dos usuários nas atividades sustentáveis como a reciclagem.

Os usuários obtém a informação sobre o meio ambiente, mas também geram dados ao registrar suas ações de reciclagem. As pessoas vão registrando suas ações e vão adquirindo pontos que podem trocar por produtos, descontos ou incluir em doações.

Na plataforma os usuários encontram georreferenciados 3.500 pontos de reciclagem no Chile, Argentina, Peru, México e Colômbia. O App identifica quais resíduos podem ser reciclados em cada um dos pontos e também os usuários podem compartilhar insights adicionais. Por meio deste sistema de crowdsourcing, é possível segmentar demograficamente em quais comunidades se recicla mais usando allGreenup, além de calcular a média do quanto se recicla por pessoa.

3PasoCierto

Noventa porcento dos recicladores de base na América Latina e Caribe encontram-se no setor informal, não organizado. Paso Cierto é uma plataforma que permite aos recicladores melhorar suas condições de trabalho e formalizar sua atividade. No site, os recicladores seguem sete passos para melhorar os serviços prestados, assim como conhecer a legislação de seu país que os impacta diretamente.

Paso Cierto é financiada pela Iniciativa Regional para a Reciclagem Inclusiva (IRR), que busca melhorar a situação socioeconômica dos recicladores da região. A informação disponível na plataforma está atualizada para os seguintes países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Nicarágua, Peru e Brasil.

reciclaje2

4Trash Track

É uma iniciativa desenvolvida pela área de pesquisa do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, MIT SENSEable City Laboratory.

Trash Track é baseado no desenvolvimento de etiquetas eletrônicas especiais que realizam o seguimento dos diferentes tipos de resíduos em sua viagem por meio dos sistemas de coleta de Nova York e Seattle. Desta maneira, é feito um seguimento dos padrões e dos custos de disposição urbana e é criada a consciência sobre o impacto do lixo no meio ambiente revelando o trajeto que realizam os objetos cotidianos que jogamos fora.

Trash Track foi inspirado inicialmente da iniciativa Green NYC cujo objetivo é aumentar a taxa de reciclagem de resíduos em Nova York de 100% até 2030. Atualmente, apenas 30% dos resíduos desta cidade são enviados aos aterros de reciclagem.

reciclaje3

Acesse a mais visualizações sobre o trajeto dos resíduos que são monitorados com esta ferramenta aqui.

Conheça mais sobre a reciclagem na América Latina e Caribe no infográfico abaixo:

Reciclaje portugues_

Post publicado originalmente em espanhol no blog do BID, Abierto al Público

 

*Sergio I. Campos G.  é chefe da Divisão de Água e Saneamento e Karen Mokate é chefe da Divisão de Gestão de Conhecimento do BID.

Deixar um comentário