POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MELHOR
QUALIDADE DE VIDA.

Cidades Médias: a hora de pensar é agora

ideia | 3 Março 2016

cidades medias - sustentabilidade

Márcia Casseb*

A América Latina e o Caribe compõem a segunda região mais urbanizada do planeta, com uma taxa de urbanização que passou de 64% em 1980 a 79% em 2010. Se esta tendência continuar, 87% da população latino-americana viverá em cidades nas próximas décadas, de acordo com a pesquisa das Nações Unidas, a World Urbanization Prospects 2014.

O Brasil acompanha estas estatísticas. Pensar o desenvolvimento integrado e sustentável em um país que tem mais de 80% de sua população vivendo em cidades é uma tarefa que requer elevado nível de planejamento e visão sistêmica dos gestores municipais. Com isso, o desafio da gestão urbana moderna se mostra ao mesmo tempo uma oportunidade de crescimento sustentável no longo prazo.

Sob este enfoque, as cidades de Goiânia, João Pessoa, Vitória, Florianópolis, e Palmas estão apostando na gestão de seus espaços e projetos de forma integrada com base em três pilares: sustentabilidade ambiental e mudança climática, desenvolvimento urbano e sustentável, e sustentabilidade fiscal e de governo.

Elas estão conseguindo liderar o desenvolvimento integrado com base em uma metodologia que ajuda os gestores na identificação e priorização de temas a tratar, a Iniciativa Cidades Emergentes e Sustentáveis (ICES), que foi criada pelo BID  para identificar, avaliar e priorizar problemas e, assim, facilitando a tomada de decisão para ações e investimentos em setores que possam gerar resultados e impactos mais positivos para a cidade.

Decisões transparentes na gestão fiscal, competitividade econômica, segurança cidadã e redução da vulnerabilidade climática, além da prevenção de desastres naturais são algumas das variáveis para um planejamento  urbano sustentável de longo prazo. Conheça como funciona a metodologia da ICES e o quanto a participação cidadã é importante em todo o processo.

ices

Esta história faz parte da série Transformando Realidades. Saiba mais sobre os impactos do desenvolvimento integrado desta e de outras 11 intervenções. Clique aqui

 

* Márcia Casseb é especialista sênior em Desenvolvimento Urbano e Saneamento do BID no Brasil.

2 comentários

Deixar um comentário