POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MELHOR
QUALIDADE DE VIDA.

Você beberia água da torneira em bares e restaurantes?

ideia | 16 Janeiro 2014

aguatorneira

Após temporada de quase seis anos nos EUA, acabo de retornar ao Brasil e passo por um processo de readaptação. Um exemplo: quando vou a bares e restaurantes me esqueço de pedir água. É que nos EUA serve-se água da torneira gratuitamente aos clientes. A prática também é comum em muitos países europeus, como França e Inglaterra.

Poderíamos fazer o mesmo no Brasil? A água que sai da torneira é apropriada para o consumo? Consultadas pelo blog, as concessionárias de São Paulo (Sabesp), Rio de Janeiro (Cedae) e Distrito Federal (Caesb) informam que, sim, a água que sai da torneira pode ser ingerida. De acordo com a Sabesp, o importante é certificar-se de que as instalações hidráulicas da residência ou estabelecimento comercial estejam em boas condições de limpeza.

Mas você aceitaria beber água da torneira?  A percepção que se tem dos serviços exerce um papel importante nessa questão. Ouvi de amigos brasileiros que moram no exterior as mais variadas respostas. Há desde os que não tomam água de torneira em lugar algum do mundo até os que disseram que não bebem na Inglaterra (onde moram), mas beberiam no Brasil por acreditar que a água daqui seja de melhor qualidade.

A percepção sobre os serviços pesa no bolso, especialmente nos dos mais pobres. Estudo do BID de 2011 mostra que no México (recordista mundial no uso de água engarrafada, com consumo per cápita de 127 galões por ano) a população mais pobre chega a gastar 10% da renda na compra de água engarrafada.  Embora o país venha investindo na melhoria dos serviços, os mexicanos seguem desconfiados da qualidade e compram água até mesmo para o banho.

Apesar de não haver estudo específico sobre o Brasil, basta uma rápida visita a qualquer grande cidade brasileira para se constatar que há quiosques de venda de água por toda a parte.  Em Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo, o galão de 20 litros é vendido por R$ 10, custo certamente considerável para os mais pobres.

Levando-se tudo isso em consideração, voltamos à questão original: Você beberia água da torneira em bares e restaurantes? E em sua casa?

Clique aqui para ler a versão em espanhol publicada no Volvamos a la fuente, o blog do BID sobre questões relacionadas à água.

8 comentários

  • Adam :

    Olá, Patrícia!

    Eu sou do DF mas hoje moro em Recife. Onde vivia, beber água de torneira sempre foi o normal, embora sempre filtrada – seja pelos filtros instalados no encanamento, seja pelo filtro de barro. Em Ŕecife, porém, ninguém faz isso. Pelo que ouvi falar, é algo recente: há uns dois, três anos houve uma epidemia de cólera e todos passaram a tomar água mineral. Ainda mantenho o costume de beber água da torneira filtrada no filtro de barro, mas por garantia compro um galãozinho de água para meu filho pequeno beber.

    Então, acredito que varie de região para região. Eu sinto até saudade do gosto da água de Brasília, mas aqui em Recife sinto certo medo. Quando vivi em Salvador e Rio de Janeiro, a água da torneira tinha gosto de sal então eu não conseguia tomar, embora no Rio esse ainda fosse o costume.

  • Wlison de Carvalho Oliveira :

    Moro em Palmas/TO há 14 anos e em casa só bebemos água da torneira. Para sair carregamos garrafinha de casa. Não confiamos nas instalações de bares e restaurantes. Antes eu morava em São Paulo/SP e quando vamos à casa dos meus pais até hoje bebemos água direto da torneira. Não acredito que filtros eliminem microorganismos.

  • Aqui em SP, capital bebo água da torneira mesmo. Como a autora adquiri o costume ao viver no exterior onde, dependendo do país, se recomenda o consumo de água da torneira.

    Sou do Rio e trabalhei na empresa de águas e esgotos e posso afirmar que lá a água tratada é 100% própria pro consumo. O problema é o encanamento local e alguns pontos do sistema, mas nada que um simples filtro não resolva.

  • Camila Muller :

    Oi Patricia, interessante sua reflexão sobre a confiabilidade da população no sistema público de distribuição de água potável…
    Sou engenheira sanitarista e por conhecer os possíveis pontos de vulnerabilidade da degradação da qualidade da água num sistema de tratamento, distribuição e armazenamento de água eu não bebo água da torneira em nenhum lugar do Brasil.

    Vale ressaltar que grande quantidade das águas utilizadas para abastecimento humano estão contaminadas por pesticidas, metais pesados, farmacêuticos, etc… substancias que não são tratadas na grande maioria em ETAs

    Na minha casa compro água de bomba, mas também não acredito que a qualidade seja 100% ok….

    • Patrícia Fortunato :

      Oi, Camila. Muito obrigada por trazer essa outra perspectiva. Fiquei curiosa para saber o que você, como engenheira sanitarista, pensa sobre os filtros de barro. Eles são uma boa alternativa para eliminar impurezas? Sempre penso na população de baixa renda que compromete boa parte do orçamento com água engarrafada, cuja qualidade também é questionável… sem contar a questão do armazenamento… Ferver e/ou usar filtros seriam as melhores opções? Abraço, Patricia

Deixar um comentário