POLÍTICAS PÚBLICAS PARA MELHOR
QUALIDADE DE VIDA.

Crianças ouvidas, cidadãos conscientes

ideia | 17 Junho 2013

post_canteiro1

Quer conscientizar uma comunidade sobre temas importantes na cidade? Fale com as crianças. Na cidade de Belém, no Pará, onde as obras de saneamento da Bacia Estrada Nova (PROMABEN) estão em pelo vapor, um dia de diálogo com 200 crianças foi suficiente para atingir este objetivo.

Para fazer com que a população parasse de desrespeitar a área da obra, retirando os tapumes de proteção para cortar caminho, e passasse a utilizar as passarelas de segurança instaladas, a coordenação do projeto realizou um dia de diálogo e conscientização. Mas ao invés de falar só com os pais, a coordenação resolveu falar também com as crianças.

post_canteiro2

Uma equipe multidisciplinar composta por assistentes sociais, pedagogos, comunicadores, engenheiros, gestores do projeto e urbanistas compartilhou os desafios de um projeto de saneamento e a importância do apoio da população para o sucesso de uma intervenção para o bem comum.

O uso de linguagem clara, de brincadeiras, esquetes e atividades criou uma atmosfera em que as crianças se sentiram confortáveis para se expressar. Um labirinto feito com tapumes foi o mais disputado, onde cada encurralada tinha uma informação sobre os perigos existentes no canteiro de obras.

“Uma vez eu passei por uma parte que estava isolada e minha perna afundou na areia. O rapaz da obra teve que me ajudar a sair. Agora eu sei que não devo entrar no canteiro de obras porque posso pegar muitas doenças ou me machucar” (Lúcia, 12 anos).

Em sua última edição do relatório da situação mundial da infância, o Unicef trouxe o tema Crianças em um mundo urbano, alertando para o fato de que elas raramente são convidadas a participar de decisões que determinam o planejamento urbano. Esta iniciativa foi um pouco além, enxergando nas crianças, verdadeiros agentes de mudança. Resultado? Semanas depois da iniciativa, o cenário mudou radicalmente e a população utiliza as passarelas de segurança.

Deixar um comentário